A mulher que me enche de esperança ( parte III )

III

Que ela não compre minha imagem
Em fotografia amarelada
Eu abandonei as rimas
Para dizer algo mais forte que a palavra
Paixão

Palavra nenhuma tem a tradução do que preciso
Nem só “querer” possui expressão
Do que não digo
Mas imagino
(dia e noite, dia e noite …)

Mesmo quando a desejo
Mal sei me expressar
Se dizia “desarrumado”
Sussurava “Linda”
Se me calava, eu esperava
Esperava e tinha pudor
De tonto!

Que ela não se entregue ao trabalho de me interpretar
(Nem me chame de promíscuo, só por ser bela a expressão)
É bem claro o sol ao meio dia
Tanto quanto sei o que digo
Quero que o tempo seja a língua da minha certeza
(De outra forma, não seria honesto)

Eu, que não sabia mergulhar
Nadarei no que é destino
Não me deixe à margem
Ouvindo esperança como piada
Me deixe onde devo estar
Próximo e mais próximo à ti

Teles Maciel
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s