Se tu queres me chamar de Amor

Se tu queres me chamar de Amor
Façamos por merecer a nomenclatura
Sejamos por merecer dois seres dignos
Do amor neste vocativo subentendido

Me deixa beijar novamente as tuas pernas
Me deixa conhecer mais profundamente
o teu sorriso
Me deixa, meu amor, me deixa
Ser pra toda vida teu escolhido

Deixa a tua casa sempre aberta
para que eu entre
E deixa os teus olhos sempre prontos
para que eu os fite
E tua pele mais macia para meu toque
E tuas histórias mais divertidas
pros meus ouvidos

Façamos este amor tão caudaloso
Ser de nossos espíritos o melhor signo
Façamos este amor, façamos
Para que tenhamos o próprio amor
Pelo qual nos nomeamos

Se tu queres me chamar de Amor
Me chama de amor como ninguém mais pode
Não terão mais serventia nossos nomes
Não terão mais utilidade outros apelidos

Que seja tudo ridículo
Me chama então de amor sem substantivo
Para que eu seja teu amante, teu amigo
Como as flores chamam de amor
A primavera em seu florescer irrestrito

Jota Teles

Anúncios

A vida

Olhem bem, a vida nos dá tudo e não nos cobra nada
Se um dia ela pede de volta esta pele emprestada
É porque na verdade nunca fomos proprietários dela
E há quem desperdice a vida com questoẽs da propriedade!
Como se um hóspede num albergue se quisesse passar por dono

Eu sentirei saudades da primavera
Mas ela certamente nao sentirá saudades de mim
Serei amanhã o meu filho
E depois de amanhã os filhos do meu filho serão como um dia fui
Como sentir saudades de quem está sempre por perto?

Se eu não tiver filhos, não importa
Não me faltarão os irmãos mais velhos
O sol e as estrelas maiores, o espaço supostamente vazio entre elas
A água, as cores, os sons, as sensações

Digam o que quiserem,
Uma vida é so um pequeno instante
Mas este pequeno instante impregna a eternidade
Passado este pequeno instante
Deixamos pra amanhã o que vai acontecer
Se vai acontecer ou não!

Não reside nisso solidão alguma
Moro em mim mesmo mas me habita todo o universo
Que nome eu mereceria se eu fosse realmente sozinho?
Não teria nome nenhum, não haveria nem linguagem
Nem fonética para o meu nome,
Nem a comida que meu corpo consome ou a energia que ele produz
Tudo isso é fruto de uma infinita colaboração

À parte isso, muito me intriga que eu possa sentir só a mim mesmo
Quando tantas e tantas vezes, constantemente,
Eu queria me sentir nos outros e os outros
Mas meu esforço só é capaz de mover a mim mesmo
(O que será que move meu esforco?)

E então sinto vontade de ser iluminado
E esta vontade me faz esquecer de que eu já o sou
Aí a Vida se encarrega de eternizar somente a minha luz
E esperar que a outra parte se desgaste e se repita

As vezes a vida parece ignorar a lógica
Os que se apaixonam demais pela lógica não entenderão a vida por completo
A lógica de um tempo é ridicularizar a lógica do tempo anterior
E as grandes questões, enquanto isso, passam inabaláveis pelas eras

Jota Teles